29 de jul de 2010

300

Num gesto lento, tu mostras

O passado grotesco alastra

Facas, gemidos, doce amor

Que me feriu e me partiu

Fui sua por inteira

Fiz-me sua companheira

E me trocaste por aventuras

Desventuras, lembranças, suturas

Me apunhalei, me puni

Me agredi, me matei

Sumi de sua vida

Mas nunca de seu coração

O espírito é eterno

E os regates são certos

Você me ouviu gritar

E acordou de seu sonho

E como obra do acaso

Nos reencontramos

E nos perdemos

Mais de cem vezes

Ouvi o barulho do trem

Mas tive medo de entrar

Desventuras, lembranças, suturas

300 anos de solidão

Ouvi o barulho da sua voz

A gritar meu nome

Desesperado quer que o tempo

Pare!

E nos separamos mais uma vez

Agora a realidade é outra

Somos outros, melhores ou piores?

Sou mais nova, mais calma

Tu és mais experiente, isso renova

E me entreguei a esse amor mais uma vez

Todas as desventuras, suturas

Desencontros, amarguras

Ruíram e partiram

Em nome do amor

Me vi sua por inteira

Fiz e faço-me

Sua companheira

Te espero há 300 anos

Nos amamos há 300 anos

E pra sempre será para sempre

Até o ultimo gole, sem fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário