13 de jul de 2010

MINHAS MÃOS

Minhas mãos-pérolas
se aninham em conchas
para aconchego
Minhas mãos-asas
se soltam sem trato
para o trabalho
Minhas mãos-sementes
se espalham ao vento
para um invento
Minhas mãos-pedras
se misturam à terra
para o plantio
Minhas mãos-ferro
acorrentadas aos anseios
da vontade do cérebro
Duas mãos tão manipuladas!...
São plumas libertas
Mãos escravas, mas sempre abertas
São donas do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário