27 de jul de 2010

Momentos de vastidão

-I -

Narciso?
Indeciso Narciso.

- II -

Todo tempo
O tempo todo
Era eu
E o meu outro
Abraço apertado e incômodo
Vazio e penetração

- III -

Algo essencial desgarrou-se do inconsciente
Antes que os galos gritassem
Antes que os alarmes cantassem
Antes que disparacem... os censores
- Meu desgarrado superhomem-moisés

- IV -

Quem não tem sua chuva de verão?
O reflexo fugiu do lago
Mas o vento está encarregado de espalhar
o som da chuva
na chuva que cai sobre os monstros

- V -

Quem lamberá o leite?
Quem dançará no breu?

- VI -

Não poderei transcender o altar
Tocarei o cálice
Beijarei o pão
Mas não ouso alçar vôo... Isso não:
- Minha sepultura é meu chão

- VII -

E amar é bater asas
Debater-se
Matar
Até que se reproduza
Até que se desfaça

E que todo papel em que não se escreveu vire incrível e subliminar fumaça.

- Queimem a bruxa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário