17 de ago de 2010

Sentimento do Mundo

Imenso intenso sentimento do mundo
Este que minha alma acolhe
(sem que saiba quem se encolhe e quem se abraça)
Graça ininterrupta
como um lâmpejo do sol.

Esta vontade de viver que me perpassa
é céu e pássaro
comida e água
ar que amorna as folhas fugazes e preguiçosas
da árvore que enfeita a esquina

- Naquele horizonte jaz a casa, o quintal, o muro baixo, o mocinho e o bandido.
(fantasmas de crianças espiam, saudosas)

Quem sabe num extênsil eu não mimeografe desenhos imensos???

Imenso intenso sentimento do mundo
Este que minha alma acolhe
(sem que queira saber quem colhe e quem pranteia)
Explendorosa teia
de fiapos de algodão

Abraço o mundo - gigante intenso
cuja imensidão abrange
todas as faces desconhecidas
- massa anônima e colorida, numerosa impressão.

Este sentimento incomensurável
me entra pelos poros, pelos átomos,
pelos olhos que ficam a modelar
um único rosto na multidão.

(Pertenser ao anonimato e sorrir aos pensamentos.
Sentir, sorver o vento,
até despaireser...)


[em homenagem a Carlos Drummond de Andrade]

Nenhum comentário:

Postar um comentário