7 de mar de 2011

Acalanto

Deito no leito branco - brumas me cobrem.


No colo longíneo da árvore-deusa,

entre folhas, entre irmãs,

desfaço-me - desimportância!

no sono coletivo nativo ancestral...

...Existência frugal.

Quando acordar,

de certo serei

menos eu,

com menos medo

e menos fome

Não preciso mais comer a maçã!

Nenhum comentário:

Postar um comentário